was successfully added to your cart.

Sobre o artesanato capacitando mulheres a tecerem seu próprio destino

Por 27 de julho de 2018 Sustentabilidade

Você já sentiu o prazer de ver um jardim florescer com as sementes que você plantou? É assim que a gente se sente com os projetos os quais contribuímos e cocriamos, pois passe o tempo que passar, nos sentimos parte deles. E por falar em flores… Tem sido assim, esse sentimento compartilhado, com o projeto Flores do Carmo – Tecelagem Artesanal Mulheres.

São artesãs que vão tecendo, juntas, entre fios e tramas. Dando vida nova a sua própria história. Flores que brotam na primavera do Distrito de Senhora do Carmo, em Itabira, Minas Gerais.

Contribuímos com essa história desde o final de 2016. O grupo foi selecionado para a 2ª edição do Projeto Equidade de Gênero da Fundação Vale devido a sua participação no Programa Agir. Nele foi possível constatar a existência de um grupo 100% feminino no município com muita vontade de empreender um negócio social.

No início de 2017 iniciou-se o trabalho de construção coletiva de uma visão do negócio. Desde então, atividades de formação em gestão, assessoria para design de produtos, pesquisas de identidade local vem sendo realizadas contribuindo para a prototipagem da primeira coleção.

Baseada no Tropeirismo, forte tradição do Carmo, as artesãs produziram seus primeiros produtos em três linhas distintas:

– Rancho: para utilitários de casa;

– Algorje: acessórios femininos; e

– Retranca: colares.

O Projeto e os produtos foram apresentados à comunidade e parceiros locais na Festa da Primavera, tradicional no distrito realizada no último fim de semana, dia 23 de setembro.

Nesta semana, elas estão recebendo os teares novos adquiridos com o capital, semente da aceleração. E a produção agora vai começar a ganhar escala – já de olho nas vendas do Natal! Confira e acompanhe as novidades pela página do Flores do Carmo no Facebook. Um produto e um sorriso mais lindo que o outro.

É ou não é motivo para se orgulhar?

Essa matéria foi originalmente postada no blog da Raízes Desenvolvimento Sustentável em 29/09/2017

Envie um comentário